Encuentros

Encuentros

Articulação Continental das CEBs se reúne em Juazeiro do Norte (CE)

Depois de vivenciarem o 13º Intereclesial, assessores e membros da Ampliada nacional das CEBs, permanecem em Juazeiro do Norte (CE), para o encontro de articulação latino-americana e caribenha das comunidades. Para isso, na manhã desta segunda, dia 13, juntaram-se ao grupo, no Mosteiro Nossa Senhora da Vitória, articuladores das CEBs vindos de Honduras, Equador, El Salvador, Guatemala, México, Peru, Paraguai, Colômbia, Haiti, República Dominicana, Argentina e Nicarágua. Participam também representantes das Filipinas e Áustria.

“Esta reunião é uma oficina pautada pela construção coletiva. A conjuntura eclesial atual é favorável para resituar as CEBs”, explicou a Irmã mexicana, Socorro Martinez, membro da equipe de Articulação Continental, na abertura dos trabalhos que se estenderão até sexta-feira, dia 17. “O objetivo é fazer uma leitura da realidade social e eclesial para vislumbrar as temáticas, problemáticas e estratégias na caminhada das CEBs. Queremos ainda aprofundar a eclesiologia, neste momento, para caminhar com maior segurança. Outra questão sempre presente é a identidade das CEBs que está unida à eclesiologia”, complementa Socorro.


A oração coordenada pelos representantes da Guatemala trouxe pensamentos de dom Oscar Romero, martirizado em El Salvador e de Maria Montoya, santa colombiana. “Fora da Igreja também toda a pessoa que luta pela justiça, toda a pessoa que busca reivindicações justas em um ambiente injusto, está trabalhando pelo Reino de Deus e pode ser que não seja cristão. A Igreja não abarca todo o Reino de Deus...”, foi uma das reflexões de Romero recordadas. Vários símbolos da caminhada das CEBs enriqueceram o ambiente para a mística.

Dom Fernando Panico, bispo de Crato, diocese que sediou o 13º Intereclesial, fez uma visita ao grupo e manifestou sua satisfação. “A realização do Intereclesial agora expandido para toda a América Latina, nos enche de alegria e esperança. Que este trabalho dê seus frutos hoje, amanhã e depois”, desejou o bispo.

Do vizinho Equador veio Pedro Pierre, padre que acompanha a formação das CEBs. Ele destaca a fraternidade e a comunhão entre os articuladores. “Queremos celebrar todos os esforços das comunidades, os avanços que realizam na Igreja e na sociedade e sobretudo, confirmar o caminho que estão fazendo, esclarecer, discernir e devolver-lhes o que aprendemos aqui para que descubram novos caminhos”. Segundo ele, a diversidade é algo marcante. “Penso que as comunidades começaram com uma composição bastante uniforme, mas aos poucos cada uma foi respondendo às necessidades de seu lugar e sua história o que cria diversidade”.

Estela Padilla é das Filipinas onde acompanha as CEBs em todo o país e também na Conferência dos Bispos da Ásia. É a segunda vez que ela participa desse encontro e conta que sempre foram inspirados pelas CEBs da América Latina e que estas influenciaram as CEBs nas Filipinas. “Quero conhecer mais sobre a caminhada das CEBs na América Latina através dos assessores que estão aqui. Estou interessada no seu desenvolvimento e nos desafios que enfrentam”. Padilla faz pesquisas sobre as CEBs na Ásia, África e América Latina. “O estudo é sobre as CEBs e a recepção do Concílio Vaticano II após 50 anos de sua realização”, comenta.

Para a leitura da realidade o grupo conta com a assessoria do sociólogo Pedro A. Ribeiro de Oliveira e do padre Manoel José Godoy que fornecem uma série de elementos para iluminar os debates. Padre José Marins e Irmã Teolide Maria Trevisan fazem o papel de facilitadores e procuram sintetizar a partilha.

 

  

 

  

 


Por Jaime C. Patias   
14 / Jan / 2014 08:24

Spanish Catalan Danish English French Galician German Greek Haitian Creole Hebrew Italian Portuguese

Visita la Biblioteca

Donativos

 Pulsa en el siguiente botón para ingresar tu donativo desde nuestra cuenta en PayPal

 

Contáctanos